Site Alivium

O nosso website utiliza cookies para lhe identificar e aprimorar a sua experiência de navegação.
Alguns cookies são necessários, outros são utilitários, analíticos ou de marketing. Ao continuar navegando, você concorda com os termos da nossa Política de Cookies.

Você sabe a correlação de Ibuprofeno e COVID-19?

Seguindo nosso compromisso de disseminar informações sólidas e confiáveis sobre saúde e bem-estar, preparamos uma seção especial em nosso site para você tirar todas as dúvidas sobre o uso de Ibuprofeno durante a pandemia de COVID-19.

Segundo comunicado oficial da OMS (Organização Mundial da Saúde) sobre o uso do medicamento1 o posicionamento oficial da organização confirma que “até o momento, com base nas informações disponíveis, não há recomendação da OMS contra o uso de ibuprofeno”.2

A marca Alivium reafirma seu compromisso de transparência com o consumidor, que sempre permeou nossa história e relacionamento com os brasileiros. Estamos acompanhando os desdobramentos da doença e também estudos científicos para garantir a sua segurança.

Veja a seguir as dúvidas mais comuns.

É muito importante consultar o seu médico – ou profissional da saúde – antes de tomar qualquer medicação. O ibuprofeno é um medicamento mundialmente utilizado para tratar febre e dor4,5, em adultos e crianças, independente de prescrição médica. Estes são alguns dos sintomas presentes na COVID-19, desde o início da doença.

Em março deste ano, a revista científica The Lancet publicou um estudo3 no qual se discute as complicações pulmonares da COVID-19 em pacientes graves e a sua possível relação com alguns grupos de medicamentos, como os inibidores de ECA e também os AINEs (anti-inflamatórios não esteroidais); citando o ibuprofeno como exemplo desse grupo, sem fazer qualquer recomendação relacionada a ele especificamente. Não há até a presente data nenhum estudo clínico avaliando o uso de ibuprofeno na COVID-19 ou seu papel na evolução da doença.
De forma alguma. O ibuprofeno não mascara sintomas, mas, assim como outros analgésicos, ajuda a aliviar a febre e as dores4,5, que são alguns dos sintomas da COVID-19.
Autoridades de saúde como a OMS2, o Ministério da Saúde6 e a ANVISA7 adotaram uma posição neutra com relação ao tema. Os órgãos alegam que não há nenhum estudo clínico avaliando qualquer efeito maléfico do ibuprofeno em pacientes com COVID-19 ou com suspeita de COVID-19, e deixam a critério do médico a escolha na indicação da prescrição de analgésicos para pacientes com COVID-19 ou suspeita dela.

As recomendações mais recentes da Organização Mundial da Saúde (OMS) declaram que “com base nas informações atualmente disponíveis, a OMS não recomenda contra o uso de ibuprofeno. Também estamos consultando médicos que tratam COVID-19 e não temos conhecimento de relatos sobre efeitos colaterais negativos do ibuprofeno, além dos efeitos colaterais conhecidos e usuais que limitam seu uso em determinadas populações. A OMS não tem conhecimento de dados clínicos ou populacionais publicados sobre este tópico”.2

No Brasil, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA)7 também afirmou que “não há evidências científicas conclusivas sobre o agravamento da infecção pelo novo coronavírus devido ao uso de ibuprofeno ou cetoprofeno”. Além disso, o Ministério da Saúde esclarece que a prescrição de ibuprofeno fica a critério do médico responsável, mas que “até o momento, não existem evidências científicas conclusivas que confirmem o agravamento da infecção por coronavírus SARS-COV-2 em decorrência da administração de ibuprofeno”.6
Não, não existem evidências científicas sobre a correlação entre o uso de ibuprofeno e a transmissão ou infecção pelo coronavírus (COVID-19).

Os critérios de contágio estabelecidos pela OMS são: contato próximo com paciente infectado (sintomático ou não), por meio de toque de mãos, gotículas respiratórias e de saliva, espirro, tosse, catarro, objetos ou superfícies contaminadas, como celulares, mesas, maçanetas, brinquedos, teclados de computador, etc. O vírus pode sobreviver por várias horas ou dias nestes locais. Devido à falta de imunidade para o novo coronavírus, todos estamos suscetíveis a contraí-lo.8
Não existem evidências científicas a respeito de qualquer medicação que possa ter relação com o agravamento do quadro clínico de COVID-19 nos pacientes infectados, incluindo ibuprofeno. Apenas se sabe que pacientes com algumas doenças crônicas – e/ou acima de 60 anos – apresentam uma maior incidência de agravamento do quadro clínico e também maior taxa de letalidade.3
Não existem evidências científicas a respeito de qualquer agravamento da infecção causada pelo COVID-19 em crianças pelo uso de ibuprofeno. Até o momento são poucos os estudos sobre o COVID-19 em crianças, pois a maioria não desenvolve o quadro clínico, menos ainda quadros graves.

De qualquer forma, os pais devem estar atentos aos sintomas, seguindo as instruções de idade e dosagem vigentes da bula dos medicamentos, e também conversar com seus médicos, pediatras e profissionais da saúde sobre quaisquer dúvidas para tratamentos. Em caso de suspeita de COVID-19, independentemente da prescrição de medicamento, o paciente deve seguir as diretrizes indicadas pelos órgãos nacionais e internacionais competentes.
O ibuprofeno é a molécula mais estudada da classe dos AINEs (anti-inflamatórios não esteroides), sendo estudada há aproximadamente 60 anos, e tem o maior número de artigos científicos publicados nessa classe.

Sua ação é predominantemente analgésica quando utilizado em determinadas doses - e é mundialmente considerado a molécula mais segura (junto com o naproxeno) para o tratamento de febre e dores em geral, tais como dor de cabeça, costas, musculares, cólicas entre outras4,5,9.

Referências:

1. Science Alert. Updated: WHO Now Doesn't Recommend Avoiding Ibuprofen For COVID-19 Symptoms. Disponível em: . Acesso em: abril, 2020. 2. World Health Organization. The use of non-steroidal anti-inflammatory drugs (NSAIDs) in patients with COVID-19. Scientific Brief. 19 April 2020. Disponível em: . Acesso em Abril, 2020. 3. Fang L, Karakiulakis G, Roth M. Are patients with hypertension and diabetes mellitus at increased risk for COVID-19 infection? Lancet Respir Med. 2020;8(4):e21. 4. Bula do produto Alivium. 5. Rainsford KD. Ibuprofen: pharmacology, efficacy and safety. Inflammopharmacology. 2009,17(6):275-342. 6. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Ciência, Tecnologia, Inovação e Insumos Estratégicos em Saúde. Gabinete. Nota Informativa nº1/2020-SCTIE/GAB/SCTIE/MS. Assunto: Recomendações para reorganização dos processos de trabalho nas farmácias e para a dispensação de medicamentos em situação de pandemia de COVID-19 (Doença provocada pelo novo coronavírus SARS-CoV-2). Brasília, 19 de março de 2020. Disponível em: . Acesso em: abril, 2020. 7. Brasil. Anvisa. Novo Coronavírus: Uso de ibuprofeno em pacientes com Covid-19: saiba mais.24 março. 2020. Disponível em: . Acesso em: abril, 2020. 8. World Health Organization. Coronavirus disease (COVID-19) technical guidance: Infection prevention and control / WASH. Disponível em: . Acesso em: abril, 2020. 9. Varrassi G, Pergolizzi JV, Dowling P, Paladini A. Ibuprofen Safety at the Golden Anniversary: Are all NSAIDs the Same? A Narrative Review. Adv Ther. 2020;37(1):61-82.

Alivium. ibuprofeno. Cápsula mole. Indicações: alívio temporário da febre e de dores de leve a moderada intensidade como: dor de cabeça, dor nas costas, dor muscular, enxaqueca, cólica menstrual, de gripes e resfriados comuns, dor de artrite e dor de dente. MS 1.7817.0826. Suspensão e suspensão gotas. Indicações: redução da febre e para o alívio de dores, tais como: dores decorrentes de gripes e resfriados, dor de garganta, dor de cabeça, dor de dente, dor nas costas, cólicas menstruais e dores musculares. Comprimido revestido. Indicações: redução da febre e o alívio temporário de dores leves a moderadas tais como: dor de cabeça, dor de dente, dor muscular, dor na parte inferior das costas, dores relacionadas a problemas reumáticos não articulares e periarticulares, dores associadas a processos inflamatórios e/ou traumáticos e dores associadas a gripes e resfriados. MS 1.7817.0807.SE PERSISTIREM OS SINTOMAS O MÉDICO DEVERÁ SER CONSULTADO. 05/2020.

1) Bula Alivium. Alivium Cápsula mole. Ibuprofeno 400mg. Indicações: para alívio temporário da febre e de dores de leve a moderada intensidade como: dor de cabeça, dor nas costas, dor muscular, enxaqueca, cólica menstrual, de gripes e resfriados comuns, dor de artrite e dor de dente. MS 1.7817.0826. Alivium. Comprimido revestido. ibuprofeno 400mg. Indicações: para redução da febre e o alívio temporário de dores leves a moderadas tais como: dor de cabeça, dor de dente, dor muscular, dor na parte inferior das costas, dores relacionadas a problemas reumáticos não articulares e periarticulares, dores associadas a processos inflamatórios e/ou traumáticos e dores associadas a gripes e resfriados. MS 1.7817.0807. Alivium. Suspensão. ibuprofeno 30mg/mL. Suspensão gotas. ibuprofeno 50mg/mL e 100mg/mL. Indicações: para redução da febre e para o alívio de dores, tais como: dores decorrentes de gripes e resfriados, dor de garganta, dor de cabeça, dor de dente, dor nas costas, cólicas menstruais e dores musculares. MS 1.7817.0807. SE PERSISTIREM OS SINTOMAS O MÉDICO DEVERÁ SER CONSULTADO. Junho/2020